Como se forma o vínculo materno? Da gestação ao nascimento

Como se forma o vínculo materno? Da gestação ao nascimento

Várias linhas científicas investigam o desenvolvimento do vínculo materno: algumas apontam para a ação hormonal durante a gravidez e tentam explicar como a anatomia do corpo feminino é responsável por esse processo.

Como se forma o vínculo materno? Da gestação ao nascimento

A gravidez é um dos processos mais revolucionários do corpo feminino. São incontáveis as mudanças que acontecem desde o momento exato da concepção até a hora do parto.  Entretanto, não apenas o útero é capaz de aumentar 20 vezes o seu próprio peso para suportar o tamanho de uma criança, as alterações também são psíquicas e comportamentais: afinal, para que nasça um filho, também é necessário que “nasça” uma mãe.

Muito se fala sobre o amor que as mães sentem pelos filhos, e alguns teóricos encaram esse vínculo como algo instintivo, não à toa a expressão “instinto materno” é tão popular. A antropóloga Sara Hardy, por exemplo, defende que o instinto materno está ligado à ação hormonal durante a gravidez, principalmente da progesterona e do estrogênio dos últimos três meses da gestação. A norte-americana ressalta que as mulheres possuem uma predisposição biológica calcada nos genes femininos responsáveis por manter esse vínculo, que passa a ter um estabelecimento mais acentuado no fim da gravidez, como forma de preparar a mulher para cuidar do bebê.

Outra justificativa para o surgimento do vínculo materno antes mesmo do nascimento do bebê é a íntima comunicação corporal da mãe com o filho. Tudo começa a partir do momento em que a mulher percebe os sintomas da gravidez, como enjoos, ausência de menstruação, mudanças físicas no corpo. A partir daí, durante nove meses, os organismos estão conectados de forma que a mulher nutre o bebê.

Por isso, a partir do momento do parto, desacostumar-se com a presença interna do filho também é um desafio impulsionado pela natureza. Estudos científicos também apontam para fatores biológicos importantes na construção do vínculo no pós-parto. Quando o pequeno nasce, há uma mudança hormonal muito brusca que traz à tona uma predisposição dos cuidados maternos. É neste momento que a oxitocina e a prolactina, hormônios capazes de fazer descer o leite materno, entram em ação.

Outro aspecto importante nessa relação após o parto é a afetividade, isto é, sentimentos e emoções que se apresentam em comportamentos como dar atenção, carinho e afeto por meio da palavra, do olhar e do toque.

Os sentidos do bebê, em especial o olfato e a audição, já são bem desenvolvidos desde a sexta semana de gestação. Portanto, mesmo antes de vir ao mundo ele já é capaz de reconhecer os batimentos cardíacos e a voz da mãe. Assim que nasce, a criança reconhece instintivamente o cheiro da mãe e isso se torna uma das principais formas de ela notar a presença materna.

Enfim, mesmo que não pareça, mãe e filho estão muito mais do que fisicamente conectados. Desde a concepção, o vínculo entre os dois se estabelece e, salvo exceções, tende a ser um dos mais fortes e perenes da existência.

LEIA TAMBÉM

Por que a presença de cuidadores – que não os pais – é benéfica para o desenvolvimento infantil?

Um estudo realizado pelo Centro de Desenvolvimento Infantil da Universidade de Harvard apontou que esse é um dos fatores primordiais para um desenvolvimento infantil adequado e saudável.

Ver mais

A importância do pós-parto fora do “mundo ocidental”

O nascimento do bebê é um momento de muita alegria. Ao mesmo tempo, a mãe fica sensível e assustada com a responsabilidade de zelar por uma nova vida.

Ver mais

O impacto da violência doméstica no desenvolvimento dos bebês

Mesmo os bebês menores são prejudicados pela violência doméstica, que pode afetar diversas áreas de suas vidas, como as relações sociais.

Ver mais

Nós usamos cookies para operacionalizar o site e melhorar cada vez mais sua experiência de navegação. Para mais informações acesse a Política de cookies | Política de privacidade.

Prosseguir