Brinquedos e mais brinquedos: Por que a presença é mais importante que os presentes?

Brinquedos e mais brinquedos: Por que a presença é mais importante que os presentes?

Muitas vezes, dizem os especialistas, na ânsia de comprar o presente favorito, que supra as vontades e os gostos dos filhos, os pais se esquecem de algo que não pode ser comprado, tampouco traduzido em números: a presença.

Brinquedos e mais brinquedos: Por que a presença é mais importante que os presentes?

Brinquedos, brinquedos e mais brinquedos. Muitas vezes, dizem os especialistas, na ânsia de comprar o presente favorito, que supra as vontades e os gostos dos filhos, os pais se esquecem de algo que não pode ser comprado, tampouco traduzido em números: a presença.

“Precisamos nos atentar para os valores que o cartão de crédito e o dinheiro não compram. Presentear é algo muito bonito e todos gostam, porém não deveria ser prioridade e muito menos se oferecido como substituição ao afeto e a presença permanente na vida dos filhos e das filhas”, afirma Ana Abreu, pesquisadora em educação da Universidade Federal de Alfenas.

A educadora defende que, embora seja importante que os bebês tenham brinquedos, é fundamental que tanto eles quanto os pais saibam que o próprio corpo da criança será sempre o seu maior brinquedo. Além disso, cabe aos familiares serem os primeiros mediadores do processo de construção de conhecimento, conscientes de que é só com o empenho deles que as crianças conseguem avançar de um estágio do desenvolvimento para outro

Nesse ponto, vale destacar que as brincadeiras têm um papel fundamental para a criação do universo lúdico do bebê. De acordo com estudos desenvolvidos na área, o ato de brincar possui três grandes metas: o prazer, o desenvolvimento das expressões e dos sentimentos, e a aprendizagem. Sim, é verdade, é brincando que se aprende — a conviver, a se organizar (no momento de guardar os brinquedos), a se colocar no mundo.

Mas isso diz respeito às brincadeiras, e não os brinquedos propriamente ditos. Brincar envolve toque, voz, cheiro, vontade, disponibilidade e paciência. Estar por perto é é fundamental. Mesmo que os pequenos não tenham consciência da importância da presença dos pais, isso será determinante também para o seu desenvolvimento social.

Além disso, é por meio das brincadeiras que os pais e responsáveis são capazes de entender o mundo das crianças, como é a coordenação motora, se falam muito ou não, se são introspectivas ou escandalosas, como elas constroem e organizam o mundo e seus valores, suas preocupações, problemas e desejos. Por isso, para se aproximar e compreender esse universo, o melhor é entrar no clima da brincadeira e respeitar as regras, costumes e manias da criança.

“A ausência dos pais pode surtir efeitos nefastos no desenvolvimento das crianças, como sentimentos de rejeição, solidão e ansiedade recorrentes, que podem catalisar, mais tarde, problemas de ordem psicológica. O triste é que, às vezes, a ausência é tão comum que pode ser considerada uma marca de convivência entre os pequenos e os familiares.”

REFERÊNCIAS

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – “A importância do brincar na educação infantil”.
Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – “Desenvolvimento cognitivo e motor de crianças de zero a quinze meses: um estudo de revisão”.
Fundação Oswaldo Aranha – Centro Universitário de Volta Redonda – Programa de Mestrado Profissional em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente – “O desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 1 ano: Orientações para pais e cuidadores”.

LEIA TAMBÉM

O papel das políticas públicas nos primeiros 1000 dias

A criação dos filhos está diretamente associada à figura da mãe, mas ela não deve ser a única responsável por essa tarefa.

Ver mais

O impacto da violência doméstica no desenvolvimento dos bebês

Mesmo os bebês menores são prejudicados pela violência doméstica, que pode afetar diversas áreas de suas vidas, como as relações sociais.

Ver mais

Menos culpas, mais atenção: o comportamento dos pais afeta os filhos?

Pais que comem demais criam filhos comilões? Adultos que têm medo de tudo transmitem isso às crianças? Não necessariamente.

Ver mais

Nós usamos cookies para operacionalizar o site e melhorar cada vez mais sua experiência de navegação. Para mais informações acesse a Política de cookies | Política de privacidade.

Prosseguir